Heráldica da Universidade Lusíada

Apresentação
A heráldica obedece a regras muito estritas para a sua concepção e para a estilização das suas componentes, usando uma linguagem própria pouco acessível aos leigos. O estudo da Heráldica encontrou um campo privilegiado na Universidade Lusíada pois esta é o único estabelecimento universitário português a contar com a disciplina de Iconologia e Heráldica inserida no mestrado em História da Arte.

A Universidade Lusíada, fundada em 1986, tem sofrido uma notável evolução nos símbolos que a representam. Retiveram-se particularmente dois elementos muito significativos para os valores lusos: a esfera armilar e a Cruz de Cristo, ambos usados no actual logótipo. Este, porém, não tem forma heráldica. Partindo destes dois elementos que, aos olhos de todos, já identificam a Universidade Lusíada, houve pois que criar um conjunto heráldico correcto.

O símbolo de uma universidade constitui a sua imagem mais sintética, aquela que os olhos primeiro captam e registam. Por isso, o olhar e a memória abarcam ao mesmo tempo esse símbolo, fixando destarte a sua associação com a instituição.

Considerou-se, com efeito, que o uso da heráldica confere maior lustre ao organismo que a ela recorre; por todo o mundo, as mais prestigiosas universidades ostentam armas. Nascida na Europa no século XII, a heráldica manteve-se até hoje como o sistema simbólico mais complexo, original e bem sucedido da história do Ocidente.

Retomando pois os dois elementos já identificativos da Universidade Lusíada, (esfera armilar e Cruz de Cristo) deu-se-lhes forma heráldica, respeitando os preceitos rigorosos desta ciência. Diferenciaram-se duas formas de aplicação das armas: o sinal rodado, constituído pelo escudo simples, rodeado da legenda; e o conjunto completo, que inclui escudo de armas, elmo, correia, paquife e virol, legenda e grito de guerra. A primeira modalidade destina-se a uma utilização comum; a segunda reserva-se para ocasiões solenes.
Fica assim a Universidade Lusíada dotada de uma heráldica irrepreensível, baseada nos sinais que há longos anos a identificam.

Armas da Universidade Lusíada

Descrição heráldica:

  • Escudo: de azul, uma esfera armilar de ouro; bordadura de prata carregada de sete cruzes potenteias e vazias de vermelho (Cruzes de Cristo);
  • Elmo: de prata, guarnecido de ouro;
  • Paquife e Virol: de azul e de ouro;
  • Timbre: um pelicano de prata em sua piedade, ferido de vermelho;
  • Divisa: num listel ondulado de prata sotoposto ao escudo, em letras maiúsculas de negro de estilo elzevir: "SOL LVCET OMNIBVS";
  • Grito de Guerra: num listel ondulado de prata sobreposto ao timbre, em letras maiúsculas de negro de estilo elzevir: "UNIVERSIDADE LUSÍADA".

Simbologia das Peças:
A Esfera Armilar enquanto representação do mundo celeste alude à origem transcendente de todo o verdadeiro Saber; enquanto representação do globo terrestre relembra a universalidade do Conhecimento; enquanto elemento presente na simbologia nacional desde El-Rei D. Manuel I, indica a elevada missão que coube a Portugal - ao longo de toda a sua História - na ampliação do conhecimento humano; e, por fim, caracteriza a Universidade Lusíada como uma das actuais instituições que preservam tal espírito através da defesa intransigente da cultura portuguesa;

As Cruzes de Cristo aludem à Ordem de Cavalaria cuja criação se deve a El-Rei D. Dinis, espírito esclarecido, poeta que sonhou o futuro de Portugal, lançando os fundamentos da epopeia lusa, a quem se devem também os primeiros Estudos Universitários de Lisboa; da mesma Ordem foi Administrador o Infante D. Henrique, insigne descendente do fundador dela, visionário genial que das praias de Belém enviou as caravelas iniciadoras de uma das mais gloriosas gestas da humanidade, frágeis naus que transportavam o peso da velas alvas, ornadas a vermelho com a Cruz do Salvador, embaixadoras de Portugal, dos seus valores e da sua Fé; estas cruzes simbolizam a passagem de testemunho de uma mensagem ímpar no mundo e significam que, enquanto existir esta Universidade, sempre se honrará quem estude, divulgue, e se bata pela Cultura Lusíada, quem, projectando a Nação para o Mundo, faça com que o Mar continue a unir, já não a separar; as Cruzes de Cristo simbolizam, assim, os elevados valores morais que devem sempre nortear e acompanhar a busca do Conhecimento; são em número de sete porque este algarismo, segundo Santo Agostinho, representa o esforço e o caminho do Homem em direcção à perfeição almejada.

O Pelicano em sua piedade (Timbre), alude às características desta ave tais como figuram nos mais remotos bestiários conhecidos: tanto o Physiologus como as Etimologias de S. Isidoro referem que o pelicano, ao constatar a morte dos seus filhotes, bica furiosamente o seu próprio peito, aspergindo-os com o seu sangue; os filhotes, então, regressam à vida e alimentam-se desse sangue. Os Doutores da Igreja, nomeadamente S. Agostinho, tomaram por isso o pelicano como símbolo crístico: Cristo não recuou perante o supremo sacrifício, vertendo o Seu próprio sangue por amor e redenção da Humanidade.

Em Portugal, foi o pelicano retomado por El-Rei D. João II para sua empresa, acompanhado da letra "Por tua ley e por tua grey". A empresa de D. João II aponta para o carácter indispensável da rectidão religiosa e moral, para uma sã formação do Homem bem como da Nação. Do mesmo modo, todos aqueles que participam na Universidade Lusíada tudo devem sacrificar em nome dos altos ideais e princípios morais que norteiam esta instituição.

Significado dos Esmaltes:

  • O Azul: a integridade moral da instituição e a perseverança na prossecução dos seus altos objectivos.
  • O Ouro: a riqueza dos conhecimentos adquiridos e transmitidos e a sabedoria dele decorrente.
  • A Prata: a humildade de reconhecer as limitações de cada um para melhor poder ultrapassá-las, e a Verdade que todos se devem esforçar por alcançar.
  • O Vermelho: a firmeza na rectidão de princípios e a ousadia na procura incessante do conhecimento.

in Oliveira, Humberto; Seixas, Miguel - Heráldica da Universidade Lusíada. Lisboa: Universidade Lusíada Editora, 1997

 

Colar de Docente da Universidade Lusíada, realizado a partir do modelo fusiforme criado em 1988.

 
Emblema fusiforme
 
Selo dos diplomas

in Oliveira, Humberto; Seixas, Miguel - Heráldica Universitária, Lisboa: Universidade Lusíada Editora;
Academia Lusitana de Heráldica, 2004